Amanhecer

Há meses não escrevo aqui, a vida estava me ocupando como nunca...

Uma das poucas coisas que sei, é que acordar mais cedo faz o dia maior! Essa frase não é necessariamente minha, se não me engano é de Rubem Braga. Acordei cedo hoje, talvez não tão cedo como os justos esperam, escovei os dentes sem pressa, senti o aroma do café dos vizinhos pelo corredor, um prazer incompleto admito! Acordei cedo para poder sair na sacada e sentir o aroma da manhã, acordei cedo para perceber a cidade acordando timidamente.

Sempre tive a impressão de manhã o tempo passa mais rápido, já me disseram que isso tem relação com o almoço, mas quem acorda cedo tem certeza da brevidade da vida. Fiz um café rapidamente, apesar de forte como de costume não era tão desejoso como aquele aroma do corredor, bem que poderia pedir perguntar que café perfumado é aquele... Mas os moradores do 302 não vão com minha cara.

Com desânimo olhei a pilha de louça na pia, vi as taças com resto de vinho de um final de semana distinto - há tempos não escutava boas músicas acompanhado de um bom Merlot, uma pena que essa noite acabasse tão rápido. Um adendo - mais rápido que o correr dos ponteiros da manhã, é o passar das horas de uma noite regada a um bom vinho.

Peguei a xícara generosa de café e fui até a sacada, enquanto a fumaça saborosa tomava minhas narinas pensei os caminhos que me levaram até ali. Refleti toda vez que me excedi, na raiva e no amor... Pensei em pessoas que passaram em vida... Das que posso encontrar, das que não quero nem ver e daquelas que só posso visitar em novembro. Logo a frente vi duas senhoras que estavam varrendo a frente de vossas casas... conversavam sobre casamento, não escutei precisamente o que diziam, mas sabia que se tratava de uma história comum a qualquer família - e pelo animo delas com a história, posso dizer que, varrer as flores de ipê branco na frente de casa não passavam de uma mera desculpa para conversarem.

Voltei para o interior do apartamento, troquei os chinelos pelos sapatos, vesti um jeans já surrado que havia usado semana passada, e fechei minha camisa até a penúltimo botão. Não lavei a louça. Não arrumei a cama. Só joguei o resto do café e fui enfrentar um dia de aulas. Um dia comum como outros, um dia diferente como todos... Assim a nossa vida muda, sempre da mesma forma, com a mesma receita de nós, mas apenas quem acorda cedo é quem tem o prazer de perceber o amanhecer.









POSTS RECENTES: